vista crato
Estação Vale do Peso
claustros
varanda
museu
igreja
mosteiro
malta
Anta
ribeira

Eventos

Sem eventos

ver mais [+]

Area Informativa

phone

Apoio ao Munícipe
245 990 110
Files-Upload-File-icon
Sugestões para:
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
phone
Piquete de Águas
935 192 686

História

Breve Resenha Histórica

TinocoSituado no Alto Alentejo, a 22 km a Oeste de Portalegre, o Crato é um Município com História, com um passado marcado pela presença dos pastores megalíticos e dos seus hábitos e cultura. Só neste município estão inventariadas mais de 70 antas, duas das quais Monumento Nacional: a Anta do Tapadão e a Anta do Crato.
O município do Crato é marcado, também:
- Pela ocupação romana exemplo das suas villas, habitat e pontes;
- Pelo nome e vivência da Ordem dos Hospitalários (posteriormente Ordem Soberana e Militar de Malta) e de D. Álvaro Gonçalves Pereira, 1º Prior do Crato, que ergue para sede da Ordem o imponente Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa e o Palácio do Grão-Prior
(arquitectura atribuída a Miguel Arruda) do qual apenas resta a imponente varanda e um janelão);
- Pelo glamour da época barroca com os seus palácios distribuídos por todo o município e, porque não,
- Pelos casamentos régios de D. Manuel I com D. Leonor e de D. João III e D. Catarina, celebrados nos Paços do castelo (Palácio Teixeira Guerra), na vila do Crato, com pompa e circunstância.

Ordem Soberana e Militar de Malta

A Ordem de São João Baptista de Jerusalém. Depois chamada do Hospital, e ainda posteriormente, pela sede nas ilhas respectivas, de Rodes (1309-1523) e de Malta (1530 em diante), foi instituída por um grupo de comerciantes italianos de Amalfi para serviço e apoio dos peregrinos a Jerusalém.
D. Teresa Afonso, mulher do Conde D. Henrique, doou o Mosteiro de Leça à Ordem do Hospital em 1128, tendo então sido neste local a casa mãe da Ordem em Portugal.
Foi por carta de doação de D. Sancho II, sendo prior D. Mendo Gonçalves, que a Ordem recebeu, em 22 de Maio de 1232, o senhorio do Crato.
Porém, foi com D. Frei Álvaro Gonçalves Pereira e após edificação do Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa, em 1356, que o Crato viria a ser sede ou cabeça da Ordem. Foi D. Álvaro Gonçalves Pereira um dos mais insignes Hospitalários de Portugal e da própria Ordem, o primeiro a ser designado por Prior do Crato, como depois dele foram sempre conhecidos os mais altos responsáveis da Religião.
No Crato se estabeleceu a capital do priorado que possuía vinte e três comendas e as seguintes terras e seus termos: Crato, Gáfete, Tolosa, Amieira, Gavião, Belver, Envendos, Carvoeiro, Sertã, Oleiros, Pedrógão Pequeno, Proença-a-Nova, Cardigos e Álvaro.
O Grão-Prior do Crato tinha poder espiritual e temporal, com jurisdição episcopal, motivo pelo qual não estava subordinado a prelado algum.
Em 1790, o Priorado do Crato foi integrado na Casa do Infantado, tendo sido seu último Prior o Senhor D. Miguel I, Rei de Portugal.
Com a extinção das ordens religiosas, também a Ordem de Malta sofreu essa perseguição tendo sido espoliada de todos os seus bens. No entanto, passados alguns anos a Ordem reorganizou-se ressurgindo como «Assembleia dos Cavaleiros Portugueses da Ordem Soberana de São João de Jerusalém.
Actualmente, e como refere o primeiro artigo dos seus estatutos, os Cavaleiros Portugueses de Malta têm como principal objectivo em tempo de paz «dedicar-se a obras de caridade, religião e, especialmente, à assistência hospitalar» e em tempo de guerra «socorrer e aliviar os enfermos e feridos da Armada e do Exército Português»
                    

 

 



Redes Sociais

FacebookTwitterRSS Feed

Contactos

Praça do Município, 7430-999 Crato
Telefone: +351- 245 990 110 / 245 990 111
Fax: +351- 245 996 679
E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

© 2012 Município do Crato Todos os Direitos Reservados
ブランドコピー スーパーコピーブランド コピーブランド ブランドバッグコピー ブランドコピー時計 ブランドコピー財布